Você pode pensar que não está participando de uma experiência revolucionária ao transferir para seu amigo dinheiro usando um app. Mas desde o advento das fintechs, abreviação de tecnologias financeiras, o setor de serviços financeiros está mudando.

Seja comprando café na cafeteria local ou gerenciando suas finanças, as fintechs estão cada vez mais fortes.

O termo fintech tem sido usado para muitos dos mais recentes desenvolvimentos tecnológicos, desde aplicativos de pagamento até criptomoedas. Combinando os mais recentes desenvolvimentos tecnológicos com serviços ou aplicativos financeiros, as fintechs ajudaram as empresas, em grande parte as startups, a perturbar o setor e a fornecer melhores serviços financeiros para empresas e indivíduos.

O que é o Fintech?

Fintech é um termo usado para descrever tecnologia financeira, uma indústria que abrange qualquer tipo de tecnologia em serviços financeiros – de empresas a consumidores. A Fintech descreve qualquer empresa que fornece serviços financeiros por meio de software ou outra tecnologia e inclui qualquer coisa, de aplicativos de pagamento móvel a criptomoeda.

Em termos gerais, fintech descreve qualquer empresa que utilize a Internet, dispositivos móveis, tecnologia de software ou serviços em nuvem para executar ou conectar-se a serviços financeiros. Muitos produtos da fintech foram projetados para conectar as finanças dos consumidores com a tecnologia, para facilitar o uso, embora o termo também seja aplicado às tecnologias B2B (business-to-business).

A Fintech fez incursões com dezenas de aplicativos e mudou a maneira como os consumidores acessam suas finanças. De aplicativos de pagamento móvel a empresas de seguros e investimentos, a fintech interrompeu os setores financeiros e bancários tradicionais – e potencialmente representa uma ameaça para os bancos tradicionais ou instituições financeiras.

Inicialmente, a fintech se referia à tecnologia aplicada aos sistemas de back-end de bancos ou outras instituições financeiras – mas desde então cresceu para abranger uma infinidade de outras aplicações que são mais focadas no consumidor. Hoje é possível gerenciar fundos, negociar ações, pagar por alimentos ou gerenciar seguros por meio dessa tecnologia (e geralmente em seu smartphone).

As ferramentas fornecidas pelas fintechs estão mudando a maneira como muitos consumidores rastreiam, gerenciam e facilitam suas finanças. Hoje em dia, as pessoas usam entre um e três aplicativos para gerenciarem suas finanças. E, parece que os investidores estão otimistas sobre o setor, com grandes investimentos sendo realizados na área.

Para os cerca de 2 bilhões de pessoas estimadas em todo o mundo sem contas bancárias, a fintech oferece uma opção ágil para participar de serviços financeiros sem a necessidade de uma agência bancária física. E, em grande parte, é exatamente isso que a fintech foi desenvolvida para fazer: dar aos consumidores acesso direto às suas vidas financeiras por meio de tecnologias fáceis de usar.

Mas, além dos aplicativos de orçamento, quais são os outros usos da fintech?

Definição de fintechs

As fintechs trazem muitas inovações para o mercado financeiro e novas oportunidades para investidores e clientes. (Foto: TNW)

Tipos de Fintech

Os tipos de Fintechs abaixo não formam uma lista completa. Como área ainda em expansão, há ainda muitos tipos de fintechs que poderãm aparecer no mercado, expandindo consideravelmente essa lista.

1. Plataformas de crowdfunding

Empresas como Kickstarter, Patreon, GoFundMe, Catarse, Vakinha e outras ilustram a gama de fintechs fora dos bancos tradicionais.

As plataformas de crowdfunding permitem que usuários da Internet e de aplicativos enviem ou recebam dinheiro de outras pessoas na plataforma e permitiram que indivíduos ou empresas reunissem fundos de várias fontes, tudo no mesmo local.

Em vez de ter que recorrer a um banco tradicional para obter um empréstimo, agora é possível recorrer diretamente aos investidores para apoiar um projeto ou empresa. E, embora seus aplicativos abranjam desde financiamento de familiares e amigos até financiamento de fãs e patrocinadores, o número de plataformas de crowdfunding se multiplicou ao longo dos anos.

2. Blockchain e Criptomoedas

Criptomoeda e blockchain são exemplos marcantes da fintech em ação.

As trocas de criptomoedas como Coinbase, Gemini, Mercado Bitcoin e Foxbit conectam os usuários à compra ou venda de criptomoedas como bitcoin ou litecoin.

Mas, além da criptografia, serviços de blockchain como o BlockVerify ajudam a reduzir a fraude, mantendo os dados de proveniência no blockchain. E embora criptomoeda e até blockchain possam ser usos controversos da fintech, eles certamente tomaram parte do mundo dos investimentos nos últimos anos.

3. Pagamentos Móveis

Parece que todo mundo com um smartphone usa alguma forma de pagamento móvel. Utilizando tecnologia cada vez mais sofisticada, surgiram serviços que permitem aos consumidores trocar dinheiro e pagamentos online ou em dispositivos móveis. PicPay, Apple Pay, Google Par, Samsung Pay, e muitas outras empresas estão já investindo toneladas de dinheiro nessa área.

4. Seguros

As Fintechs até interromperam o setor de seguros. De fato, as insurtech (como tem sido chamadas) passou a incluir tudo, desde seguros de carros a seguros residenciais e proteção de dados.

Além disso, as startups de insurtech estão cada vez mais atraindo financiamento e se valorizando ainda mais no mercado.

5. Aplicativos de consultoria robótica e de negociação de ações

A consultoria robótica interrompeu o setor de gerenciamento de ativos, fornecendo recomendações de ativos baseadas em algoritmos e gerenciamento de portfólio, que aumentou a eficiência e reduziu os custos.

Desde o surgimento de uma tecnologia mais avançada que pode analisar várias opções de portfólio 24 horas por dia, 7 dias por semana, as instituições financeiras se adaptaram para oferecer serviços de consultoria com robôs online, incluindo Charles Schwab e Vanguard.

Além disso, outros serviços populares de consultoria com robos incluem Betterment e Ellevest.

Talvez uma das inovações mais populares e grandes no espaço fintech tenha sido o desenvolvimento de aplicativos de negociação de ações. Quando os investidores precisavam ir diretamente a uma bolsa de valores como a NYSE ou a Nasdaq, agora os investidores podem comprar e vender ações ao toque de um dedo em seus dispositivos móveis.

E com aplicativos baratos e de baixo mínimo, investir em qualquer lugar com qualquer orçamento nunca foi tão fácil.

6. Aplicativos de orçamento

Um dos usos mais comuns da fintech é o orçamento para consumidores, eque cresceram exponencialmente em popularidade ao longo dos anos.

Antes, os consumidores tinham que criar seus próprios orçamentos, coletar cheques ou navegar nas planilhas do Excel para acompanhar suas finanças. Mas depois que a revolução da fintech levou ao desenvolvimento de aplicativos de serviços financeiros, os consumidores podem acompanhar de maneira fácil e eficiente suas receitas, despesas e outras ferramentas de orçamento que revolucionaram a maneira como os consumidores pensam sobre seu dinheiro.

Aplicativos de orçamento como o Mint e o Guia Bolso ajudam os consumidores a rastrear suas receitas, pagamentos mensais, gastos e muito mais – tudo em seu dispositivo móvel.

Fintechs no mercado

Embora muitos de nós possamos ter um aplicativo ou dois orçamentos em nosso telefone, quem são os outros usuários das fintechs? E como as fintechs estão sendo usadas de diferentes maneiras?

B2B (Business to Business)

Antes do desenvolvimento das fintechs, as empresas iam aos bancos para obter empréstimos e financiamentos. Mas com o advento das fintechs, as empresas podem facilmente obter empréstimos, financiamentos e outros serviços financeiros por meio da tecnologia móvel. Além disso, plataformas baseadas na nuvem e até serviços de gerenciamento de relacionamento com o cliente fornecem serviços B2B que permitem às empresas interagir com dados financeiros para ajudar a melhorar seus serviços.

B2C (Business to Client)

Obviamente, as fintechs possuem muitos aplicativos de negócios para clientes ou B2C. Aplicativos de dinheiro como PayPal, NuBank e Apple Pay permitem que clientes ou clientes transfiram dinheiro via Internet ou tecnologia móvel, e aplicativos de orçamento como o Mint permitem que os clientes gerenciem suas finanças e despesas. Muitas das primeiras incursões do setor bancário nas fintechs estavam focadas em aplicativos B2C, como serviços de empréstimo e pagamento.

Quais fintechs vocês conhecem? O que acham que vai acontecer de novidades nesse setor?

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)