O que significa Black Friday?

Escrito na categoria "Educação financeira" por André M. Coelho.

A Black Friday tem dois significados relevantes. Na história, a Black Friday foi uma catástrofe do mercado de ações que ocorreu em 24 de setembro de 1869. Naquele dia, após um período de especulação galopante, o preço do ouro despencou e os mercados despencaram.

Mas o significado mais contemporâneo se refere ao dia após o feriado de Ação de Graças dos Estados Unidos da América, que também tradicionalmente é um feriado para muitos funcionários. Normalmente é um dia repleto de ofertas especiais de compras e grandes descontos, sendo considerado o início da temporada de compras natalinas.

O que significa Black Friday?

A Black Friday se refere ao dia após o Dia de Ação de Graças e é simbolicamente vista como o início da crítica temporada de compras natalinas.

Historicamente, a Black Friday também foi um dia em 1869 em que o preço do ouro despencou e os mercados de ações despencaram em resposta.

As lojas oferecem grandes descontos em eletrônicos, brinquedos e outros presentes, ou pelo menos a primeira oportunidade para os consumidores comprarem os produtos mais quentes.

Também importante para os varejistas é a Cyber ​​Monday, o primeiro dia de volta ao trabalho para muitos consumidores após o feriado prolongado.

Significado da Black Friday na prática

É comum os varejistas oferecerem promoções especiais e abrirem as portas na madrugada da Black Friday para atrair clientes. Para acompanhar a concorrência, alguns varejistas chegaram ao ponto de manter suas operações no feriado de Ação de Graças, enquanto outros começaram a oferecer negócios no início de novembro.

Caçadores de pechinchas realmente ávidos costumam acampar durante a noite no Dia de Ação de Graças para garantir um lugar na fila de sua loja favorita; os mais fanáticos pularam completamente o jantar de Ação de Graças e acamparam em estacionamentos por dias ou mesmo semanas para conseguir grandes negócios. As promoções geralmente continuam até o domingo, e as lojas tradicionais de tijolo e argamassa registram um aumento nas vendas.

Buscando aumentar as vendas e preparar o cenário para o final de ano, as empresas brasileiras começaram a promover a Black Friday. Isso principalmente porque começaram a concorrer diretamente com empresas internacionais que estavam enviando as promoções para o Brasil, como os sites chineses e norte americanos.

A concorrência aumentou, os preços baixaram, e quem saiu ganhando foram os consumidores.

Black Friday e seu significado

A Black Friday é um evento comercial, mas que tem origens um tanto sinistras. (Foto: Phys.org)

Black Friday e gastos de varejo

Os varejistas podem passar um ano inteiro planejando as vendas da Black Friday. Eles usam o dia como uma oportunidade para oferecer preços mínimos em estoque excedente e para oferecer atrativos e descontos em itens sazonais, como decorações de Natal e presentes de Natal típicos.

Os varejistas também oferecem descontos significativos em itens caros e marcas mais vendidas de TVs, dispositivos inteligentes e outros eletrônicos, atraindo os clientes na esperança de que, uma vez dentro, comprem produtos com margens mais altas. O conteúdo dos anúncios da Black Friday costuma ser tão aguardado que os varejistas fazem de tudo para garantir que não vazem publicamente de antemão.

Os consumidores costumam comprar na Black Friday os itens mais populares, o que pode levar a tumultos e violência na ausência de segurança adequada. No Brasil, já ocorreram casos de pessoas sendo pisoteadas na abertura das promoções, mas os problemas vem reduzindo a cada ano. Talvez o maior problema sejam as empresas que aumentam os preços dos produtos antes da Black Friday para fazer “promoções” no dia, atitude que ganhou o apelido de “Black Fraude”.

Como surgiu a Black Friday?

O conceito de varejistas lançando vendas pós-Dia do Peru começou muito antes de o dia ser realmente cunhado “Black Friday”. Em um esforço para iniciar a temporada de compras natalinas com um estrondo e atrair hordas de compradores, as lojas promoveram grandes negócios no dia seguinte ao Dia de Ação de Graças por décadas, apostando no fato de que muitas empresas e negócios deram aos funcionários essa sexta-feira de folga.

Então, por que o nome? Alguns dizem que o dia é chamado de “Black Friday” em homenagem ao termo “black” que se refere a ser lucrativo, que decorre da velha prática contábil de registrar lucros em tinta preta e perdas em tinta vermelha. A ideia é que os varejistas vendam o suficiente nesta sexta-feira (e no final de semana seguinte) para se colocarem “no vermelho” pelo resto do ano.

No entanto, muito antes de começar a aparecer em anúncios e comerciais, o termo foi cunhado por policiais sobrecarregados da Filadélfia. Na década de 1950, multidões de compradores e visitantes inundaram a cidade no dia seguinte ao Dia de Ação de Graças. As lojas da Filadélfia não apenas divulgaram as grandes vendas e a apresentação de decorações festivas neste dia especial, mas a cidade também sediou o jogo de futebol Exército-Marinha no sábado do mesmo fim de semana.

Como resultado, os guardas de trânsito foram obrigados a trabalhar em turnos de 12 horas para lidar com a multidão de motoristas e pedestres, e eles não tinham permissão para tirar o dia de folga. Com o tempo, os policiais irritados começaram a se referir a esse temido dia de trabalho como “Black Friday”.

O termo ganhou popularidade rapidamente e se espalhou para vendedores de lojas que usaram “Black Friday” para descrever as longas filas e o caos geral com que tiveram de lidar naquele dia. Permaneceu como uma pequena piada interna da Filadélfia por algumas décadas, embora tenha se espalhado para alguns cidades próximas, como Trenton, Nova Jersey. Finalmente, em meados da década de 1990, a “Black Friday” varreu o país e começou a aparecer em campanhas publicitárias na mídia impressa e na TV nos Estados Unidos.

A evolução da Black Friday

Em algum lugar ao longo do caminho, a Black Friday deu um salto gigante de ruas congestionadas e lojas lotadas para compradores febris lutando por vagas de estacionamento e borrifando pimenta uns aos outros lutando pelo último televisor de última geração com grande desconto. Mas quando a Black Friday se tornou o evento de compras frenético e exagerado que é hoje?

Isso seria nos anos 2000, quando a Black Friday foi oficialmente designada como o maior dia de compras do ano. Até então, esse título tinha ido para o sábado antes do Natal. No entanto, à medida que mais e mais varejistas começaram a anunciar “não pode perder” as vendas pós-Ação de Graças, e os descontos da Black Friday ficaram cada vez mais profundos, os consumidores norte americanos não conseguiam mais resistir à atração desse dia mágico de compras.

Hoje, a Black Friday está se tornando um evento cada vez mais demorado, durando uma semana e até um mês. Acontece que, como as vendas do Dia de Ação de Graças estão crescendo rapidamente, as vendas da Black Friday estão diminuindo quase no mesmo ritmo. O principal benefício de abrir no Dia de Ação de Graças: menos clientes na Black Friday, ajudando a manter as multidões menores e as filas mais curtas. Mesmo assim, a sexta-feira continua sendo o dia mais movimentado, de longe, do fim de semana do feriado. E no Brasil, o crescimento é muito parecido.

Competição da Cyber ​​Monday

Para os varejistas online, uma tradição semelhante surgiu na segunda-feira após o Dia de Ação de Graças. A Cyber ​​Monday é vista como o início não oficial da temporada de compras online de final de ano. A ideia é que o consumidor volte ao trabalho após o fim de semana do feriado de Ação de Graças, pronto para começar a fazer compras. Os varejistas eletrônicos geralmente anunciam suas promoções e vendas antes do dia real para competir com as ofertas da Black Friday em lojas físicas.

Como resultado, em termos de vendas, a Cyber ​​Monday provou ser um sucesso entre os compradores, e está ganhando tração no Brasil nos últimos anos.

A Black Friday e o mercado de ações

Com as pessoas gastando grandes somas de dinheiro neste dia de compras notoriamente agitado, as vendas contabilizadas na Black Friday são muitas vezes consideradas um teste de tornassol para a condição econômica geral do país e uma forma de os economistas medirem a confiança da média Americano quando se trata de gastos discricionários. Aqueles que compartilham a suposição keynesiana de que os gastos impulsionam a atividade econômica veem os números mais baixos de vendas da Black Friday como um prenúncio de um crescimento mais lento.

Alguns investidores e analistas veem os números da Black Friday como uma forma de avaliar a saúde geral de todo o setor de varejo. Outros zombam da noção de que a Black Friday tem qualquer previsibilidade real do quarto trimestre para os mercados de ações como um todo. Em vez disso, eles sugerem que isso só causa ganhos ou perdas de curtíssimo prazo.

No entanto, em geral, o mercado de ações pode ser afetado por dias extras de folga no Dia de Ação de Graças ou no Natal. Ele tende a ver o aumento da atividade comercial e retornos mais elevados um dia antes de um feriado ou um fim de semana prolongado, um fenômeno conhecido como efeito feriado ou efeito fim de semana. Muitos comerciantes procuram capitalizar sobre esses solavancos sazonais.

A quebra do mercado de ações na Black Friday

Embora “preto” possa aludir à lucratividade, também é frequentemente usado para descrever dias desastrosos nos mercados financeiros. Por exemplo, na Black Tuesday, 29 de outubro de 1929, o mercado caiu vertiginosamente, sinalizando o início da Grande Depressão. A maior queda em um dia na história do mercado de ações ocorreu na Black Monday, 19 de outubro de 1987, quando o Dow Jones Industrial Average (DJIA) despencou mais de 22%.

A denominação desses crashes como dias “negros” se originou com um dos primeiros crashes do mercado de ações nos Estados Unidos, em 1869. Ele foi desencadeado por um círculo de especuladores, liderados por Jay Gould e James Fisk, que tentaram monopolizar o mercado de ouro .

No início de setembro, eles compraram o máximo de ouro que conseguiram, fazendo com que o preço do ouro disparasse. Eles também pediram a ajuda de Abel Corbin, cunhado do Presidente Ulysses S. Grant. Eles queriam que ele persuadisse o presidente a limitar a disponibilidade do metal, o que aumentaria ainda mais o preço.

Mas sua tentativa de usar a Casa Branca para manipular o fornecimento falhou. Quando Grant soube o que estava acontecendo, ele ordenou que o Tesouro dos EUA vendesse ouro. O governo descarregou US$ 4milhões e, na sexta-feira, 24 de setembro de 1869, o preço do ouro caiu de US$160 para US$130 por onça. O mercado de ouro entrou em colapso, fazendo com que o mercado de ações despencasse mais de 20% na semana seguinte, arruinando muitos investidores. O dia ficou conhecido na história financeira como Black Friday.

Conhecem mais histórias da Black Friday? Compartilhem conosco nos comentários abaixo!

Sobre o autor

Autor André M. Coelho

Crédito ou débito? Esta é uma pergunta quase sempre feita ao se pagar com cartão mas é uma questão também comum na vida de muitos brasileiros. Com mais de 300 horas em cursos de finanças, empreendedorismo, entre outros, André formou-se em pedagogia e se especializou em educação financeira. Dá também consultorias financeiras e empresariais quando seus clientes precisam de ajuda e compartilha conhecimentos aqui neste site.

Aviso legal

O conteúdo apresentado no site é apenas informativo com o objetivo de ensinar sobre o funcionamento do mundo financeiro e apresentar ao leitor informações que o ensine a pensar sobre dinheiro. O site Crédito ou Débito não faz recomendações de investimentos e em nenhuma hipótese pode ser responsabilizado por qualquer tipo de resultado financeiro devido a práticas realizadas por seus leitores.

Deixe um comentário