Agora que o uso de telefone celular e computador se tornou parte da vida cotidiana, é importante estar ciente dos diferentes tipos de ameaças online. Phishing, vishing e smishing são apenas alguns dos golpes online que os cibercriminosos usam para roubar dados privados, mas isso pode ser evitado por meio de informações e ações preventivas.

O que é phishing?

Este é provavelmente o método que os cibercriminosos mais usam. Isso envolve o envio de e-mails fraudulentos, enviando os clientes para um site falso que se parece com o do banco. Isso também pode ocorrer no Facebook com páginas de fãs falsos que postam conteúdo fraudulento e solicitam informações confidenciais dos usuários.

Os criminosos cibernéticos de phishing costumam usar campanhas falsas para atualizar os dados dos clientes ou pedir que eles se inscrevam em um sorteio que o banco supostamente está segurando. Sites fraudulentos solicitam informações como identidades, senhas bancárias online, números de cartão de crédito e até mesmo o código de segurança, com o qual eles podem fazer compras online sem o conhecimento do cliente.

A primeira linha de defesa contra phishing é usar o bom senso para não fornecer informações confidenciais. Se você já é cliente do banco, a instituição financeira lida com essas informações com segurança e nunca enviaria um e-mail solicitando esses dados. Os bancos nunca enviam e-mails como “você ganhou um prêmio” ou “desbloqueiam sua conta”. Por fim, se você clicar no link, verifique sempre o URL do site. Ele deve ter o ícone de um cadeado antes do nome e começar com “https”.

Golpes financeiros

Cuidado com os golpes que podem roubar sua identidade e seu dinheiro, e se proteja da melhor maneira possível. (Foto: NextAdvisor)

O que é vishing?

Este termo vem da combinação de duas palavras: voz e phishing. Refere-se ao tipo de ameaça que envolve uma ligação telefônica fraudulenta usando informações obtidas anteriormente online.

Este método consiste em duas etapas. Primeiro, o cibercriminoso rouba informações confidenciais por e-mail ou em um site fraudulento (phishing), mas precisa da senha do SMS ou do token digital para realizar e validar uma operação. É quando o segundo passo ocorre. O cibercriminoso liga para o cliente pelo telefone, alegando trabalhar para o banco. Usando mensagens particularmente alarmantes, o cibercriminoso tenta fazer com que o cliente revele a senha do SMS ou o token digital necessário para autorizar transações.

Nessas circunstâncias, um cliente nunca deve revelar esse tipo de informação a ninguém, porque é a chave para autorizar transações. O cliente deve desligar imediatamente e entrar em contato com o banco para relatar o que aconteceu. Um banco nunca entrará em contato com os clientes para solicitar informações sensíveis e confidenciais sobre senhas e códigos de acesso.

O que é smishing?

Assim como as chamadas telefônicas são um meio de tentar enganar os clientes, o mesmo acontece com as mensagens no WhatsApp ou nas mensagens de texto (SMS). É aqui que o método conhecido como smishing recebe seu nome.

Essa ameaça ocorre quando o cliente recebe uma mensagem de texto supostamente do banco dizendo que uma compra suspeita foi feita com seu cartão de crédito. A mensagem de texto solicita que o cliente entre em contato com o banco e fornece um número de telefone falso. O cliente retorna a ligação e é quando o cibercriminoso, que finge ser o banco, solicita informações confidenciais para cancelar a compra. Às vezes, a mensagem também inclui um link para um site fraudulento para solicitar informações confidenciais.

A solução para smishing é nunca prestar atenção às mensagens solicitando dados, um telefonema ou uma operação. Preste muita atenção aos números de telefone suspeitos e lembre-se do número de telefone oficial.

Como você se protege contra golpes? Quais golpes acima vocês já conheciam?

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)