O que é inflação?

Escrito na categoria "Educação financeira" por André M. Coelho.

A inflação reduz o poder de compra de cada unidade monetária, o que leva a aumentos nos preços de bens e serviços ao longo do tempo. É um termo econômico que significa que você tem que gastar mais para encher o tanque de gasolina, comprar um litro de leite ou cortar o cabelo. Em outras palavras, aumenta seu custo de vida.

O que é inflação?

A inflação brasileira reduz o valor do real. Compare o valor do real hoje com o do passado. Assim, à medida que os preços sobem, seu dinheiro compra menos. Por esse motivo, pode reduzir seu padrão de vida com o tempo. Em termos populares: a inflação é tão violenta quanto um assaltante, tão assustadora quanto um ladrão armado e tão mortal quanto um assassino de aluguel.

A inflação existe quando os preços aumentam, mas o poder de compra cai durante um determinado período.

A demanda, a oferta e as expectativas sobre os bens afetam as taxas de inflação.

O Banco Central usa a política monetária para controlar a inflação.

Você pode se proteger da inflação por meio de investimentos sábios.

O que é a taxa de inflação no Brasil?

A taxa de inflação é o aumento ou redução percentual dos preços durante um período especificado, geralmente um mês ou um ano. A porcentagem informa a rapidez com que os preços subiram durante o período. Por exemplo, se a taxa de inflação para um litro de gasolina for 2% ao ano, os preços da gasolina serão 2% mais altos no próximo ano.

Isso significa que um litro de gasolina que custa R$4 este ano custará R$4,04 no próximo ano.

Se a taxa de inflação for superior a 50% em um mês, isso é hiperinflação. Se a inflação ocorrer ao mesmo tempo que uma recessão, isso é estagflação. O aumento dos preços de ativos como habitação, ouro ou ações é chamado de inflação de ativos.

A taxa de inflação é um componente crítico do índice de miséria, que é um indicador econômico que ajuda a determinar a saúde financeira de um cidadão médio. O outro componente é a taxa de desemprego. Quando o índice de miséria é superior a 10%, significa que as pessoas estão sofrendo de recessão, inflação galopante ou ambos. Em outras palavras, a inflação ou o desemprego é superior a 10%.

Inflação na prática

A inflação é um conceito que impacta a vida de todos, e é importante entender seu funcionamento para evitar problemas. (Imagem: Forbes)

Causas da inflação

Existem vários fatores que podem impulsionar os preços ou a inflação em uma economia. Normalmente, a inflação resulta de um aumento nos custos de produção ou um aumento na demanda por produtos e serviços.

1. Inflação de custos

A inflação de custo ocorre quando os preços aumentam devido a aumentos nos custos de produção, como matérias-primas e salários. A demanda por bens permanece inalterada, enquanto a oferta de bens diminui devido aos custos de produção mais elevados. Como resultado, os custos de produção agregados são repassados ​​aos consumidores na forma de preços mais altos para os produtos acabados.

Um dos sinais de uma possível inflação de custo pode ser visto no aumento dos preços de commodities, como petróleo e metais, visto que são os principais insumos de produção. Por exemplo, se o preço do cobre aumentar, as empresas que usam cobre para fazer seus produtos podem aumentar os preços de seus produtos. Se a demanda pelo produto for independente da demanda por cobre, o negócio repassará os custos mais elevados da matéria-prima aos consumidores. O resultado são preços mais elevados para os consumidores, sem qualquer alteração na demanda pelos produtos consumidos.

Os salários também afetam o custo de produção e são normalmente a maior despesa individual para as empresas. Quando a economia está indo bem e a taxa de desemprego é baixa, pode ocorrer escassez de mão de obra ou de trabalhadores. As empresas, por sua vez, aumentam os salários para atrair candidatos qualificados, fazendo com que os custos de produção aumentem para a empresa. Se a empresa aumenta os preços devido ao aumento dos salários dos funcionários, ocorre a inflação do custo acrescido.

Os desastres naturais também podem elevar os preços. Por exemplo, se um furacão destruir uma safra como o milho, os preços podem subir em toda a economia, já que o milho é usado em muitos produtos.

2. Inflação puxada pela demanda

A inflação de demanda pode ser causada por uma forte demanda do consumidor por um produto ou serviço. Quando há um aumento na demanda por bens em toda a economia, os preços aumentam e o resultado é uma inflação que puxa a demanda. A confiança do consumidor tende a ser alta quando o desemprego é baixo e os salários estão aumentando – levando a mais gastos. A expansão econômica tem impacto direto sobre o nível de gastos do consumidor em uma economia, o que pode levar a uma alta demanda por produtos e serviços.

À medida que a demanda por um determinado bem ou serviço aumenta, a oferta disponível diminui. Quando menos itens estão disponíveis, os consumidores estão dispostos a pagar mais para obter o item – conforme descrito no princípio econômico de oferta e demanda. O resultado são preços mais altos devido à inflação de demanda.

As empresas também desempenham um papel na inflação, especialmente se fabricam produtos populares. Uma empresa pode aumentar os preços simplesmente porque os consumidores estão dispostos a pagar o valor aumentado. As empresas também aumentam os preços livremente quando o item à venda é algo de que os consumidores precisam no dia-a-dia, como petróleo e gás. No entanto, é a demanda dos consumidores que dá às corporações a alavanca para elevar os preços.

3. O mercado imobiliário

O mercado imobiliário, por exemplo, teve seus altos e baixos ao longo dos anos. Se houver demanda por residências porque a economia está passando por uma expansão, os preços das residências aumentarão. A demanda também impacta produtos e serviços auxiliares que dão suporte ao setor habitacional. Os produtos de construção, como madeira e aço, bem como pregos e rebites usados ​​nas casas, podem ter aumentos na demanda resultantes do aumento da demanda por casas.

4. Política Fiscal Expansionária

A política fiscal expansionista dos governos pode aumentar a quantidade de receita discricionária para empresas e consumidores. Se um governo corta impostos, as empresas podem gastá-lo em melhorias de capital, remuneração de funcionários ou novas contratações. Os consumidores também podem comprar mais bens. O governo também poderia estimular a economia aumentando os gastos com projetos de infraestrutura. O resultado pode ser um aumento na demanda por bens e serviços, levando a aumentos de preços.

A política monetária expansionista dos bancos centrais pode reduzir as taxas de juros. Os bancos centrais podem reduzir o custo para os bancos emprestarem, o que permite que os bancos emprestem mais dinheiro para empresas e consumidores. O aumento do dinheiro disponível em toda a economia leva a mais gastos e demanda por bens e serviços.

Inflação e o índice de preços ao consumidor (IPC)

Muitos órgãos, inclusive o Banco Central, usam o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) para medir a inflação. O índice obtém suas informações de uma pesquisa com empresas e também uma série de produtos e serviço. Ele registra os preços de itens de consumo a cada mês, informando a taxa geral de inflação.

Algumas fontes dizem erroneamente que há uma diferença entre a inflação e o IPC. Mas não há diferença. O IPC é uma ferramenta que mede a inflação. Não é uma forma diferente de inflação.

Outros índices de inflaão podem incluir mais ou menos elementos no cálculo.

Banco Central e a taxa de inflação

Os bancos centrais em todo o mundo usam a política monetária para evitar a inflação e seu oposto, a deflação. No Brasil, a meta de inflação geralmente fica em torno de 5% ao ano. Uma meta de inflação maior pode ser aprovada, se isso ajudar a garantir o máximo de empregos. Pode influenciar a inflação com a impressão de dinheiro através da emissão de títulos da dívida pública.

Como se proteger da inflação?

A maneira mais poderosa de se proteger da inflação é aumentar sua capacidade de ganho e renda. Um aumento anual de 5%, ou uma promoção que rende um ganho de 20%, tornará a inflação irrelevante. Mas se essa não for uma opção, ou você tiver uma renda fixa, precisará explorar outras opções.

Uma forma de proteger suas economias é investir no mercado de ações. Diversificar seus investimentos também é uma forma eficiente de proteger seu dinheiro da inflação. Há até títulos do Tesouro que tem uma proteção da inflação, pagando o valor da inflação no período junto a um bônus.

Ficou alguma dúvida? Deixem nos comentários suas perguntas!

Sobre o autor

Autor André M. Coelho

Crédito ou débito? Esta é uma pergunta quase sempre feita ao se pagar com cartão mas é uma questão também comum na vida de muitos brasileiros. Com mais de 300 horas em cursos de finanças, empreendedorismo, entre outros, André formou-se em pedagogia e se especializou em educação financeira. Dá também consultorias financeiras e empresariais quando seus clientes precisam de ajuda e compartilha conhecimentos aqui neste site.

Aviso legal

O conteúdo apresentado no site é apenas informativo com o objetivo de ensinar sobre o funcionamento do mundo financeiro e apresentar ao leitor informações que o ensine a pensar sobre dinheiro. O site Crédito ou Débito não faz recomendações de investimentos e em nenhuma hipótese pode ser responsabilizado por qualquer tipo de resultado financeiro devido a práticas realizadas por seus leitores.

Deixe um comentário