O debate brasileiro sobre a classe média é amplamente influenciado tanto pela definição do governo liderada pelo IBGE – Instituto Federal de Geografia e Estatística quanto pela classificação de consumo econômico desenvolvida pela ABEP – Associação Brasileira das Empresas de Pesquisa de Mercado. E é necessário entender isso para compreender a classe média.

Renda da classe média: IBGE e ABEP

Ambos usam o sistema de base de letras como uma ferramenta de estratificação socioeconômica, em que A é o mais rico e E o mais pobre, diferindo principalmente no foco em renda (política) ou consumo (econômico). Utilizando uma abordagem centrada na renda, o IBGE (2017) inclui na classe média toda a população das classes C e D, incluindo aquelas com renda familiar entre 1 e 5 salários mínimos.

Por outro lado, incorporando e privilegiando os critérios de consumo na classificação, a ABEP, por sua vez, desenvolveu em 2014 o que eles chamaram de Critérios Brasil, amplamente utilizado por pesquisadores de mercado e empresas de publicidade. Além da renda familiar, agrega valor a variáveis ​​como presença familiar de trabalhadoras domésticas e bens de consumo, bem como níveis de educação e localização geográfica. Ao final das análises, esse sistema de pontos indica a faixa de valores de cada estrato socioeconômico (de A-E), definindo então a classe média como classe C.

Nova classe média brasileira

Fazendo uso da definição de governo acima mencionada, além de ter sido um de seus principais influenciadores posteriormente, o economista Marcelo Neri (2008) apresentou ao Brasil e ao mundo o que chamou de “Nova Classe Média”. Em seus trabalhos, ele mostrou que de 2003 a 2008, 30 milhões de pessoas deixaram a linha de pobreza e passaram para a Classe C (2008). Vale a pena ressaltar aqui o contexto brasileiro de 2002 a 2010.

O Brasil passou por um período de crescimento baseado em commodities e dívida do consumidor, com moeda estável e aumento do mercado de trabalho. Combinado com esse crescimento econômico e estabilidade, uma mistura de políticas de bem-estar decorrentes da transferência de dinheiro, aumento dos salários mínimos para programas de educação são apontados pelos economistas como a explicação para a diminuição da pobreza revelada por Nero.

Classe média no Brasil

A classe média brasileira está em expansão tanto em renda quanto em consumo, o que é bom para o crescimento do país. (Foto: CNN.com)

A partir de qual renda é considerado classe média?

Não há consenso sobre a renda em que um indivíduo passa a ser considerado classe média. Porém, a renda familiar entre 1 e 5 salários mínimos é geralmente a mais adotada em publicações da mídia, já que é a usada pelo IBGE. Note que esse critério pode mudar, e vai sendo atualizado de acordo com o valor do salário mínimo.

O que significa estar na classe média?

Há uma necessidade de analisar a classe média como um todo. Há formas de ser, estilos, modos de consumo, formas de linguagem, comportamento corporal, habitus, capitais culturais, sociais e simbólicas são variáveis ​​fundamentais a serem consideradas na análise da Classe Média. Acrescentando à discussão das análises de classe no Brasil, deve ser dada a devida importância de incluir raça, gênero e a construção e contestação do espaço público no entendimento da formação da classe média no país.

[E importante destacar o enorme impacto de qualquer recessão socioeconômica e crises políticas do Brasil como paralelo ao crescimento da “Nova Classe Média”. A classe média C é a mais vulnerável para cair para as classes D / E. Isso faz com que a classe média lute por manter seus benefícios e sua posição, evitando cair de volta a uma classe de menor poder de consumo.

É preciso estar ciente dos vários estratos populacionais reunidos sob a Classe Média, a necessidade de incluir outras variáveis ​​nas análises, em particular as culturais, e o impacto da raça e do gênero na formação de classes no Brasil, se quiser entender as várias nuances da Classe Média no Brasil.

Dito isso, provavelmente é razoável sugerir uma possível reformulação das estatísticas disponíveis, a fim de considerar a classe média brasileira como um grupo com valores e modos de vida compartilhados.

Mas se você ainda tiver alguma dúvida, deixem nos comentários suas perguntas!

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)